minha musa inspiradora é uma mulher da vida parte 2.

ao pensar em escrever uma história, uma que tenha personagens, uma que tenha seres viventes, a não ser que você seja o despontuado José Saramago, vai ter que dar um nome pros seus nenéns.

Sim, seus nenéns, porque seus personagens são seus filhos. Ou netos, já que se as criações são seus filhotes, os personagens nelas contidos são os filhos dos seus filhos. Enfim.

Quando comecei a escrever meu livro, fiz um brainstorm entre eu e eu mesma e decidimos os nomes dos protagonistas. Sem explicação lógica, querendo nomes sonoros e diferentes, escolhi Sandro e Manfredo.

Até aí quem imaginará o inusitado, ora, ninguém. Manfredo é um nome esquisitíssimo e já foi descotado faz tempo (parece Manfred Mann e ninguém vai querer lembrar da trilha do Meu Primeiro Amor lendo meu livro).

O inusitado da coisa tá aqui: em um cantinho da página dos rascunhos iniciais anotei que os apelidos dos personagens seriam, respectivamente, Sam e Fredo.

[pausa dramática]

você me vaia, atira tomates em mim, me chama de chata, boba e feia, mas só depois de saber que eu não tinha lido O Senhor dos Anéis e muito menos visto os filmes, que sequer tinham sido lançados na época. Não fazia idéia do que eram hobbits e seus respectivos nomes nunca me tinham sido apresentados.

Pode imaginar o susto que levei ao perceber que Tolkien, há muitos anos atrás, teve a feliz idéia de nomear seus hobbits de Sam e Frodo?

Encarei como um sinal, ora sim senhores. Afinal, também se trata de uma trilogia de fantasia. Medo.

PS: agora o Sandro continua Sandro, apenas Sandro. E o Manfredo, esse virou Pedro.

Fredo… opa, Frodo e Sam.

Sam e Fredo. Digo, Frodo.

Anúncios

4 thoughts on “minha musa inspiradora é uma mulher da vida parte 2.

  1. Medo. Extremamente hollywoodiano. o_O

    Bom, uma vez descrevi a protagonista do meu livrinho (sim, eu escrevo um, mas é só um e não será mais de um) para a vó, e eis que a boa senhora me encara com uma expressão mortificadjeenha. Achei que jamais ia saber o porquê do susto – mesmo que o nome da personagem não seja assim tão comum -, até que dona avó explica: ela tinha sonhado com uma menina muito parecida, uma vez.

    Se vovó estama zombando da minha cara, eu não entendi. o_õ Mas achei místico demais e resolvi esquecer do assunto. =)

    E ah, dona Fran, você vai acabar não brincando mais comigo! =( Da outra vez que você ligou, eu estava na aula do salve-salve LM e não encontrava meu celular de modo algum (naturalmente, ele estava no bolso do casaco, mas é só um detalhe). E sim, eu sei que passava do meio-dia quando você ligou. :B Era aula extra, sobre tempo não-linear. E vai ter mais semana que vem, por sinal a última aula que terei com o moço. Vamos, vamos??

    Beijo!

  2. Eu sei que o nome é item fundamental na construção do personagem (podem surgir até algumas idéias baseadas nele), mas eu nunca consigo batizar sem achar que o nome ficou bobo.

  3. MAS é uma Franfarrona mesmo.

    De fato, eu acho que se eu lesse seu livro hoje eu acharia que é uma alusão a Sam e Frodo.

    É difícil escrever histórias, ja tentei. Pelo menos, escrever uma com pé e cabeça.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: