como

Então, mais um projeto meu. É uma coisa meio Keri Smith que criei – uma agenda para o ano, que tem 365 tarefas divertidas que me estimulam a criar e a viver.

Bem, a tarefa de hoje resolvi colocar aqui pra ver se inspira vocês.

Era a seguinte: me lembrar de minha memória mais antiga e escrever sobre ela.

Pois bem, são 3:

– bancos, bancos, bancos. Bancos de madeira intermináveis. E é mais a sensação dos bancos intermináveis que sua aparência que me vêm a mente. É a igreja que eu vou desde que nasci. Essa mesma.

– Smurfs em preto e branco numa TV. Não que eu seja do tempo da TV PB, mas meus pais tinham uma que não tinha cores quando eu era bem pequena. Lembro que eram Smurfs, mas não eram azuis. Pois será que eram eles mesmo? Memória confusa. Sei que tinha leite no chão.

– o gosto da minha mamadeira, que nunca mais consegui reproduzir. E não dá pra escrever como é esse gosto, que consigo lembrar com maestria.

Aliás, é divertido tentar descrever coisas não descritíveis, como gostos e cheiros. É um bom exercício. Fiz isso num job pro Senac há pouco tempo, o Que Cheiro é Esse?, e foi bacana.

É isso. 🙂

Anúncios

6 thoughts on “como

  1. Tem uma coisa bizarra que eu lembro: o medo das entranhas.

    Lembro que quando eu era bem bem pequeno fui ao Playcenter com a familia, e me recusei com veemência a entrar na Montanha Encantada. Era uma coisa que você subia num barco e entrava embaixo da terra.

    Já fui la depois de grande e reconheci o lugar, embora na minha memória ele seja bem mais assustador.

    Essa semana lembrei disso lá no CENU.

  2. Eu disse que vinha, e vim. Aí fiquei com vontade de comentar. As minhas primeiras memórias são de quando eu ia para a pré-escola. Eu lembro de descer a rua da pracinha chorando, dizendo que estava com dor de barriga e que não queria ir. Aí minha mãe decobriu que era porque um menininho bateu em mim.
    Lembro de rolar na grama e escorregar no barranco, chegar em casa cheia daquelas coisinhas verdes grudadas na roupa! Aí minha mãe me colocava sentada na lavanderia para tirar todo o matinho e a areia do sapato.
    Lembro de enterrarmos um passarinho que encontramos morto perto da arvorezona, depois a professora pegou o esqueleto dele pra mostrar pra gente.
    Lembro do meu bolo de aniversário de quatro anos, era uma cara de palhaço.
    Lembro que eu era a única que sabia chamar a tia com um pano pra limpar o vômito de um amiguinho, aí, quando voltei, ganhei um beijo melecado de batom da professora, fiquei desesperada pra limpar e tirar tudo aquilo.
    Ah, eu poderia continuar, rsrsrrs… mas chega!
    Eu li sua ideia da casa da vó noutro blog também e devo concordar contigo a respeito de que será uma casa realmente acolhedora. Achei fantástica a ideia!

  3. Oi! Minha primeira visita aqui. Bom, se depender de mim, suas estatísticas de visitas vão aumentar. Contrariando o que você disse a respeito de ver o blog ser super acessado: sonhadora que nada.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: