Com o coração na mão

original

Tem uma coisa que é totalmente contrária à religião do Alicismo, e essa coisa se chama RESTAURANTE POR QUILO. Não é nem só o fato de todas as comidas de quilo terem gosto de cartolina ou de certas pessoas (eu) não possuirem autocontrole e colocarem bacalhau e feijoada e maionese e churrasco e lasanha e sushi de kani tudo no mesmo prato. É mais o fato de ter que me levantar para tirar minha própria comida. Sim. Acho isso o fim. Tudo o que quero é chegar num restaurante, me sentar, conversar com meus amigos descolados (como diria aquela hipster cafona da novela) e rir polidamente enquanto sou servida.

A segunda coisa terrível, para mim, é rodízio de pizza. Sim, rodízio de pizza. Porque não basta você estar pagando barato, você ainda tem que ser submetida aos mais estranhos experimentos científicos dispostos em cima de massas redondas que chegam na sua mesa, sem parar. Eventualmente, cobertos de batata palha.

Aí que o namorado, todo feliz, resolveu me levar para comemorar o dia da pizza em um rodízio de 14,90 no Centro de São Paulo. Deixa eu te falar uma coisa sobre 14,90: gente.

A parte boa é que nos divertimos a valer. Vinha pizza de hot dog e a gente comia. Pizza de strogonoff? A gente comia também. Batata frita? Mas batata frita não é pizz-cala a boca e come, amor. Vinha pizza de Sonho de Valsa e Ouro Branco, pizza de prestígio e teve até uma vez que veio uma tímida Marguerita. Mas aí chegou ela. Eu tinha seguido o caminho todo me preparando para este momento: rindo de minhas memórias, quando eu era uma adolescente Dickensiana nas ruas de São Vicente-SP, e, imagine você, naquele tempo eu ia num rodízio em que serviam AQUILO. Será que serviriam AQUILO? Porque se servirem AQUILO vou te amar para sempre só pela piada porque pizza daquele sabor deveria ser considerado crime hediondo, eu dizia para meu namorado, que estava pagando o rolê.

E serviram.

A pizza de coraçãozinho de frango passou, fumegando, pela nossa mesa. Nos entreolhamos, e, solenes, fizemos que sim com a cabeça quando o garçom nos ofereceu.

Comi. Devo dizer que, comendo aquele pout-porri de doenças cardíacas, me senti no ponto mais baixo da minha vida. Deu até vontade de tomar vergonha e começar uma dieta de verdade.

Mas aí tomei Coca Zero e passou.

Achando tudo mó legal,

Alice Desespero*

Anúncios

3 thoughts on “Com o coração na mão

    • Caro Mateus, o nome da pizzaria é Bairro`s, um belo case de naming de restaurante, inclusive. Separei uma resenha encontrada no website Kecanto que pegou o tom do ambiente: “atendimento :100 MARAVILHOSA (moças atendi vc com rosto sempre sorrindo muito simpatica) (garçoms com cara de Pxx parece q vc ta devendo ele kkkk) ainda bem so mocas q servi pizzas gacos so servi bebidas”.

  1. Cara Alice, apesar do gosto de cartolina, ainda vou a alguns restaurantes por kilo. Quando chego, olho todo o cardápio mesmo que tenha fila e volto pensando na combinação. Como pouco, pago valor justo e dificilmente erro. quer tentar?
    Quanto as pizzas com batata pallha acho um crime hediondo na gastronomia, ou isso se chama outra coisa: uma descombinação sem bom senso. E viva o rodízio!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: