Case-se

O Julio era meu amigo desde 2004. Quando nos conhecemos, ele era um grunge amalucado de camisa xadrez mesmo depois que os anos 90 acabaram – e eu era uma adolescente pré-vestibulanda que tinha acabado de deletar um blog chamado PanakinhaSsS. A gente se casar não estava no meu script, nem na nota de rodapé. Mas estava escondido entre uma conversa no ICQ e outra, entre uma entrelinha e outra. Entre uma estrelinha e outra. Bem escondidinho nas folhas do meu diário, de uma maneira tão viva, com coincidências que se eu contar ninguém acredita. Não vou contar. 🙂

0060_140607_TM_0005 0096_140607_TM_0016 0102_140607_TM_0019 0109_140607_TM_0021 0132_140607_TM_0041 0196_140607_FP_0136 0199_140607_TM_0061 0210_140607_FP_0140 0250_140607_TM_0088 0256_140607_FP_0165 0263_140607_TM_0098 0291_140607_FP_0176 0360_140607_FP_0243 0382_140607_FP_0262 0401_140607_TM_0129 0411_140607_TM_0139 0415_140607_TM_0143 0428_140607_TM_0156 0480_140607_TM_0208 0490_140607_TM_0218 0491_140607_FP_0273 0502_140607_FP_0284 0566_140607_TM_0270 0583_140607_TM_0281 0745_140607_FP_0394 0746_140607_TM_0352 0750_140607_FP_0398 0820_140607_TM_0384 1010_140607_FP_0559  1213_140607_FP_0677 1240_140607_TM_0553 1269_140607_TM_0576 1320_140607_TM_0584 1413_140607_TM_0639 1467_140607_FP_0823 1481_140607_TM_0654  1555_140607_FP_0892 1563_140607_FP_0897 1582_140607_FP_0913 1607_140607_TM_0677 1619_140607_FP_0942 1632_140607_TM_0678 1853_140607_TM_0749 1915_140607_FP_1122  2034_140607_TM_0826 2075_140607_FP_1243 2110_140607_FP_1274 2152_140607_FP_1308 2189_140607_FP_1338 2203_140607_FP_1346 2222_140607_FP_1365 2418_140607_FP_1493 2442_140607_TM_0934 2444_140607_TM_0936 2450_140607_TM_0939 140607_JA_0005 (1) 140607_JA_0008 140607_JA_0014 140607_JA_0020 140607_JA_0043 (1) 140607_JA_0060 140607_JA_0063 140607_JA_0083 140607_JA_0158 (1) 1799_140607_FP_1069 1986_140607_FP_1178 2251_140607_FP_1393

Acho que me apaixonei de vez mesmo, depois do primeiro, segundo, terceiro beijo. Me apaixonei no dia em que me desesperei porque achava que eu ele não teríamos assunto. Que um dia, não teríamos mais do que falar. Naquele dia, ele me disse que por ele, poderíamos ficar velhinhos só olhando um para a cara do outro, sem assunto nenhum. Sem falar nada. E que ele tinha certeza de que mesmo assim seria divertidíssimo.

Depois, me apaixonei mais um pouco quando ele me pediu em casamento extraoficialmente, enquanto assistíamos à um romântico episódio de Anomalias Médicas.

Pouco mais de 1 ano depois, ele me fez o pedido de casamento oficial, da forma mais trivial do mundo. Sem preparações. Entregou a caixinha das alianças na minha mão e assim pediu minha mão. Eu aceitei.

Já tínhamos conversado bastante sobre qual seria nossa festa de casamento dos sonhos: sem requinte. Sem sofisticação. Com bom gosto. Queríamos algo parecido com um parque de diversões antigo, daqueles com carrossel, algodão doce, maçã do amor e muita diversão. No final, não conseguimos o carrossel (foi por pouco!), mas conseguimos uma comemoração que vai ficar marcada pra sempre no nosso coração. 🙂

Não foi muito fácil conseguir organizar um casamento que saísse do padrão em um mercado tão tão TÃO padronizado quanto esse da indústria casamenteira. Só a organização dessa festa merecia uma série de posts bem grande, cheio de causos. Um dos causos incríveis foi a maneira como encontrei a comida para o casamento, que foi uma das coisas mais elogiadas da festa. Numa madrugada, digitei “barraquinha gourmet” no Google, e encontrei uma entrada, apenas. Um post num blog, que linkava para um e-mail do Gmail. Sem site, sem nada. Aliás, não ter site ou ter um site que não faz jus ao trabalho maravilhoso que os caras realizam foi padrão geral nos fornecedores do casamento.:) No caso das barraquinhas, tentei a sorte, e tirei a sorte a grande. Com tapioca, carne louca, mini hot dogs, mini hamburgueres, pastéizinhos e outros quitutes maravilhosos, a Manu Navarro arrasou e fez do meu casamento uma delícia. 🙂

Fora a comida boa, tivemos atrações sensacionais, como bandinha de Jazz New Orleans, malabaristas, um show de mágica do noivo e um show de canto e sapateado da noiva (fingindo bem que arrasamos, em espetáculos deliciosamente mambembes :D). Tudo foi lindo. Eu repetiria novamente, com ajustes aqui, outro ali. E ando até com saudades de organizar algo megalomaníaco de novo (o que anda me dando umas ideias huhuhu). Ah! Salvei todas as músicas que tocaram nos 3 ambientes da festa em 3 playlists deliciosas para inspirar vocês. Tá aqui:

O post já está ficando longo e encerro por aqui. Por último, quero deixar um recado pra você que ainda não casou e que sonha como eu sempre sonhei: case-se mesmo, case-se com amor. Case-se quando você entender o significado de que amor, quanto mais profundo, mais leve.

FICHA TÉCNICA

Direção criativa 🙂 Noivos

Fotos Fernanda Petelinkar

Vestido noiva Pó de Arroz

Cabelo e maquiagem Circus Hair

Sapato noiva Loloux

Local Centro Cultural Rio Verde

Catering (comilança) Manuella Navarro

Bolos La Passione

Cookies Cookiebox

Malabaristas Irmãos Becker

Banda New Orleans JASS Band Brasil

Decoração Fatto Manu, com coisinhas do AliExpress 🙂

Convite e papelaria Aldo Fabrini, Noiva e Mãe da Noiva (Marilúcia Guilen Ateliê)

Livrinho para as crianças Texto Noiva e Ilustração Noivo 😉 (com encadernação de Marilúcia Guilen Ateliê)

Anúncios

4 thoughts on “Case-se

  1. Pingback: Prato de saída | cozinhando a internet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: